sábado, 26 de janeiro de 2013

Escolhas Dementes

Deito-me Esquecido. De cigarro aceso adormeço. No escuro da noite ando perdido. Libertando falhado a memoria que não esqueço. A lágrima que veio em socorro do sorriso, que hoje se transformou na poluição de um paladar. Um instante desvairado num alpendre, que se pudesse faria incendiar. Queimaria nele todas as silabas, todas as mentiras em que acreditei. Agarraria depois nas suas cinzas, atira-las-ia ao vento como sinal de que levantei a cabeça e andei. Ando porem, meio cambaleante pelos becos da cidade. Contando segredos aos candeeiros que se apagam. Vendendo as almas daqueles que nunca amei de verdade. Mas que na verdade, sei serem talvez o certo das escolhas que não fiz, chove hoje torrencialmente no meu peito e apenas colho somente a tempestade que eu próprio quis.

1 comentário:

  1. "Mas que na verdade, sei serem talvez o certo das escolhas que não fiz, chove hoje torrencialmente no meu peito e apenas colho somente a tempestade que eu próprio quis." FORTÍSSIMO !

    ResponderEliminar